ESTE BLOG É EDITADO PELA PROFESSORA: MARIA JANETE ACCORDI

quinta-feira, 28 de julho de 2011

ANÁLISE E INTERPRETAÇÃO DE TEXTO


 Para analisar e interpretar textos é preciso saber ler. Mas, como aprender a ler? Lendo. Alguém que deseje aprender a nadar terá de, inevitavelmente, entrar na água. O mesmo ocorre com a formação de um leitor: se ele não se dedicar ao exercício da leitura, debruçando-se sobre poemas, notícias e crônicas de jornal, romances, ensaios etc., jamais aprenderá a ler.

Mas a verdadeira leitura pressupõe compreensão. Não basta passar os olhos sobre as palavras, mas é preciso entender o significado delas - ou, pelo menos, aproximar-se do que o autor pretende transmitir. E, depois, para realmente analisar o objeto da nossa leitura, devemos proceder à identificação das características, dos atributos, das propriedades do texto.

Textos denotativos - um ensaio, uma dissertação, uma notícia ou reportagem - são escritos em linguagem conceitual. Esse tipo de texto - racional, que se apoia em conceitos, leis, princípios ou normas - pede do leitor uma postura objetiva.

Já os textos conotativos - a poesia e os gêneros de ficção, incluindo algumas crônicas - exigem de nós uma postura subjetiva, pois são escritos em linguagem poética. Ou seja, são textos que exploram aquele conjunto de alterações ou de ampliações que uma palavra pode agregar ao seu sentido literal (ou denotativo). Os meios para se alcançar esse tipo de expressão envolvem as diversas figuras de linguagem, a criação de personagens e uma infinidade de associações entre os vocábulos, criando, muitas vezes, um mundo à parte.

Para esses dois tipos de textos podemos estabelecer algumas regras gerais de leitura:

1. Cada novo texto é, também, um novo universo. Para apreender o que o autor pretende transmitir, devemos estar abertos ao novo. Então, antes de iniciar a leitura, procure esquecer o que lhe disseram sobre o autor - as críticas e os elogios -, e aproxime-se do texto sem preconceitos.

2. Se for um texto curto - artigo, notícia, crônica, conto, etc. -, leia-o integralmente, procurando captar o seu sentido geral, e só depois, reiniciando a leitura, proceda assim: 
a) procure, no dicionário, cada uma das palavras desconhecidas ou cujo sentido lhe pareça estranho, duvidoso.
b) sublinhe ou circule, em cada parágrafo, a frase que expressa a ideia central daquele trecho.
c) faça anotações nas margens do texto, mas de maneira que elas expressem o seu pensamento, as suas interrogações, as suas concordâncias ou discordâncias, relacionando o texto às suas vivências pessoais e a outras leituras que você, porventura, tenha feito.

3. Se o texto for longo - romance, ensaio, tese, peça de teatro etc. - siga os passos acima, mas desde o primeiro momento da leitura.


4. Não tenha preguiça. A leitura exige, muitas vezes, que voltemos ao início do texto ou do capítulo, que retrocedamos alguns parágrafos, a fim de retomar certa ideia ou rever o comportamento, a fala de uma personagem.


5. À medida que você decodifica as palavras, procure relacioná-las com o todo. Ou seja, compreenda as palavras dentro do contexto (o conjunto de frases, o encadeamento do discurso).


6. Enquanto lê, estabeleça um duplo diálogo: com o autor e com você mesmo.


7. Quando o texto usar a linguagem conceitual, não faça uma leitura tímida: imagine-se concordando e, também, discordando das ideias expostas. Coloque-se no papel de defensor e de opositor. Depois, forme seu próprio julgamento.


8. Quando o texto utilizar a linguagem poética, imagine a cena, coloque-se no lugar das personagens. Muitas vezes, poemas e textos de ficção tratam de realidades completamente diferentes da nossa, o que exige uma leitura sem preconceitos. Não tenha receio: entre os gregos, transforme-se em grego.


9. Não seja um leitor crédulo, não acredite com facilidade em tudo que lê. Num texto conceitual, seja implacável com a argumentação do autor: ele realmente convenceu você? Quais as partes frágeis do texto? Quais as qualidades? Aja da mesma forma em relação ao texto poético: o enredo convenceu você? A história é verossímil (transmite a impressão de verdade) ou imperfeita, defeituosa? O bom leitor nunca é ingênuo.


10. Numa prova, não se esqueça:
a) leia o texto com calma, duas ou três vezes;
b) a cada questão, retorne ao texto e esclareça suas dúvidas; 
c) esteja atento ao enunciado da questão, pois, muitas vezes, ele exigirá que você leia não só o trecho citado, mas um ou mais parágrafos;
d) muitas vezes, a resposta correta não corresponde exatamente ao que está no texto, mas apenas se aproxima do sentido geral.

DIA DO AGRICULTOR

Equipamento da agricultura de plantations


































No dia 28 de julho é comemorado o dia do agricultor, data instituída a partir do centenário da criação do Ministério da Agricultura, em 1960.

O presidente Juscelino Kubitschek foi responsável pelo decreto que aprovou a data, pois considerava que o trabalho do agricultor foi o responsável pelo crescimento econômico do país.
Com isso, fez uma demonstração do respeito que o trabalho braçal possui, sendo merecedor de respeito e de manifestações de agradecimento pelos trabalhadores.

O agricultor se utiliza dos recursos do solo para fazer as plantações, além de utilizar maquinários e equipamentos específicos. Assim como os outros meios tecnológicos se desenvolveram, as técnicas de plantio também tiveram as tecnologias inseridas em seu contexto.

O primeiro tipo de agricultura foi a itinerante, praticada pelos nômades, povos que não têm moradia fixa, através do plantio, colheita, queima do terreno e novas plantações, até que o solo não produzisse mais, período no qual se mudavam.

A partir das técnicas que controlavam as plantações, evitando que as mesmas fossem destruídas pelos fenômenos da natureza, o homem passou a ter moradia fixa, constituindo assim as primeiras cidades, como no caso do Egito Antigo e suas plantações ao redor do rio Nilo.

No período colonial, o Brasil aprendeu a praticar a agricultura que hoje é conhecida como “plantations”, com um único tipo de plantação e mão de obra barata. Esses produtos são desenvolvidos para as exportações, como a soja, a cana de açúcar dentre outros.

Para a agricultura que se utiliza de grandes maquinários e poucos trabalhadores, damos o nome de agricultura intensiva industrializada, onde o produtor obtém grande margem de lucros devido aos baixos custos.

A agricultura também aparece dividida em outras classes, como a de subsistência, para o consumo próprio e a de caráter comercial, para a venda de produtos.

A tecnologia trouxe novos modelos de plantação, podendo ou não causar alterações aos meios naturais. Irrigação, uso de produtos químicos e agrotóxicos, podem alterar a qualidade do solo, porém são tidos como eficazes por acelerar o processo de crescimento das sementes.

A partir dos anos 60 a agricultura passou pelo chamado processo da “revolução verde”, tendo aumentado a produção mundial de cereais em cerca de 70%.

terça-feira, 26 de julho de 2011

DIA DA VOVÓ

Comemora-se o Dia dos Avós em 26 de Julho, e esse dia foi escolhido para a comemoração porque é o dia de Santa Ana e São Joaquim, pais de Maria e avós de Jesus Cristo.

Conta à história que Ana e seu marido, Joaquim, viviam em Nazaré e não tinham filhos, mas sempre rezavam pedindo que o Senhor lhes enviasse uma criança.

Apesar da idade avançada do casal, um anjo do Senhor apareceu e comunicou que Ana estava grávida, e eles tiveram a graça de ter uma menina abençoada a quem batizaram de Maria.


Santa Ana morreu quando a menina tinha apenas 3 anos.
Devido a sua história, Santa Ana é considerada a padroeira das mulheres grávidas e dos que desejam ter filhos.

Maria cresceu conhecendo e amando a Deus e foi por Ele a escolhida, para ser Mãe de Seu Filho.
São Joaquim e Santa Ana são os padroeiros dos avós.

O Dia dos Avós gera polêmica por conta das críticas dos que só veem o lado comercial da comemoração.
Mas o papel dos avós na família vai muito além dos mimos dados aos netos, e muitas vezes eles são o suporte afetivo e financeiro de pais e filhos.
Por isso, se diz que os avós são pais duas vezes.

As avós são também chamadas de "segunda mãe", e muitas vezes estão ao lado e mesmo à frente da educação de seus netos, com sua sabedoria, experiência e com certeza um sentimento maravilhoso de estar vivenciando os frutos de seu fruto, ou seja, a continuidade das gerações.

Celebrar o Dia dos Avós significa celebrar a experiência de vida, reconhecer o valor da sabedoria adquirida, não apenas nos livros, nem nas escolas, mas no convívio com as pessoas e com a própria natureza.

quinta-feira, 14 de julho de 2011

VIDA DE PROFESSOR NÃO É FÁCIL

MAIS PURA REALIDADE, INFELIZMENTE!

AH... E UM "PEQUENO DETALHE": É A ÚNICA CATEGORIA QUE SE FIZER GREVE, É OBRIGADO A REPOR AULAS AOS SÁBADOS, EM BREVE CRIAM TAMBÉM OS DOMINGOS.
Jô Soares

O material escolar mais barato que existe na praça é o professor!

  • Se É jovem, não tem experiência.
  • Se É velho, está superado.
  • Se Não tem automóvel, é um pobre coitado.
  • Se Tem automóvel, chora de "barriga cheia'.
  • Se Fala em voz alta, vive gritando.
  • Se Fala em tom normal, ninguém escuta.
  • Se Não falta ao colégio, é um 'caxias'.
  • Se Precisa faltar, é um 'turista'.
  • Se Conversa com os outros professores, está 'malhando' os alunos.
  • Se Não conversa, é um desligado.
  • Se Dá muita matéria, não tem dó do aluno.
  • Se Dá pouca matéria, não prepara os alunos.
  • Se Brinca com a turma, é metido a engraçado.
  • Se Não brinca com a turma, é um chato.
  • Se Chama a atenção, é um grosso.
  • Se Não chama a atenção, não sabe se impor.
  • Se A prova é longa, não dá tempo.
  • Se A prova é curta, tira as chances do aluno.
  • Se Escreve muito, não explica.
  • Se Explica muito, o caderno não tem nada.
  • Se Fala corretamente, ninguém entende.
  • Se Fala a 'língua' do aluno, não tem vocabulário.
  • Se Exige, é rude.
  • Se Elogia, é debochado.
  • Se O aluno é reprovado, é perseguição.
  • Se O aluno é aprovado, deu 'mole'.
É, o professor está sempre errado, mas, se conseguiu ler até aqui, agradeça
















ESTAMOS EM 2011, NADA MUDOU !!"

quarta-feira, 13 de julho de 2011

DE QUEM É O PODER?

“Nada mais perigoso para manipuladores do que pessoas que pensam por si.  Cada dia que passa é possível perceber como isso é verdadeiro e como se tem feito de tudo, politicamente, para que as pessoas não pensem por si, não sejam críticas e aceitem ser fantoches do sistema.

Hoje, faz-se urgente uma mudança. Só a luta e a crítica podem transformar um país corrupto e decadente. Povo omisso significa povo escravo. A sociedade precisa descobrir a força que tem: só votar não resolve nada, é preciso mudar o que está errado, e mudança significa luta, união, determinação e comprometimento com o futuro (nosso e dos nossos filhos). Acreditar em um país melhor não é utopia; mas apenas crer não basta, é preciso agir. Só reclamar da corrupção de nada adianta, é preciso mobilizar-se e mostrar para alguns políticos que eles não se manterão assim para sempre.

E a história se repete. Ignoram a Educação, a Segurança Pública, a Saúde, e já se reúnem em seus partidos para pensar nas eleições de 2012 a fim de perpetuarem-se no poder em benefício próprio e continuar o massacre do povo. Chega de assistir calados a tantas desmazelas: assaltos, mortes, ladrões e bandidos soltos, e a polícia desaparelhada; sofrimento, dor, morte, choro e a falência da saúde; educadores, alunos, pais e sociedade vilipendiados em todos os sentidos. Direitos ? Só o “direito e o dever” de sofrer calados.

Não podemos mais aceitar a indignidade que fizeram de nós, não podemos permitir que a história continue a ser escrita por aqueles que enforcam heróis.

Neste momento em particular, os Educadores de Santa Catarina chamaram para si a responsabilidade de iniciar a tão sonhada mudança. Árdua tarefa, pois numa terra onde a justiça é pouca, é um perigo estar com a razão. Temos vivenciado momentos de sofrimento, humilhação, exaustão, mas nossa luta quer mostrar para a sociedade, para aqueles que têm um pouco de discernimento, que é possível resgatar a dignidade do povo com força e coragem, quer mostrar também que já estamos fartos de tanta corrupção, este caldeirão do diabo que está destruindo a dignidade do povo e que ferve em épocas de eleição. É hora de repensar e fazer refletir que o povo não é massa de manobra política. A vida de todos pode ser melhor e isto não é fantasia. Não podemos permitir que sejamos nós, educadores e povo catarinense, os enforcados da vez.

Educadores, não somos vilões como querem fazer parecer. Somos fortes, juntos somos fortes, lutamos contra um sistema opressor. A ordem é não recuar. Sofreremos, mas poderemos virar uma página negra da educação catarinense e do sistema corrupto e opressor deste estado. Poderemos começar a escrever uma nova história em que a ética , a honra e o caráter tenham mais valor do que os cargos políticos alcançados após as eleições. Esta mudança começa com Educação de qualidade, o que parece não estar interessando aos detentores do poder. Mas é preciso e urgente politizar esta nação.

Falta dizer ainda algumas palavras a todos os educadores que têm se omitido neste momento histórico. Para que você seja forte, é preciso que você se junte aos fortes, não aos fracos ou àqueles que se escondem. Comprometa-se, não seja omisso, covarde. Você também é responsável. Não fique só esperando que o sangue dos que estão na luta venha lavar a sua alma alienada. Tenha coragem! Só assim você poderá se olhar no espelho a cada dia e não sentir vergonha do que nele vê refletido. Iraide Cendron.”

quinta-feira, 7 de julho de 2011

Carta de Abraham Lincoln ao Professor de seu Filho


Caro professor, ele terá de aprender que nem todos os homens são justos, nem todos são verdadeiros, mas, por favor, diga-lhe que, para cada vilão, há um herói, que para cada egoísta, há também um líder dedicado.

Ensine-lhe, por favor, que para cada inimigo haverá também um amigo, ensine-lhe que mais vale uma moeda ganha que uma moeda encontrada, ensine-o a perder mas também a saber gozar da vitória, afaste-o da inveja e dê-lhe a conhecer a alegria profunda do sorriso silencioso, faça-o maravilhar-se com os livros, mas deixe-o também perder-se com os pássaros do céu, as flores do campo, os montes e os vales.

Nas brincadeiras com os amigos, explique-lhe que a derrota honrosa vale mais que a vitória vergonhosa, ensine-o a acreditar em si, mesmo se sozinho contra todos.

Ensine-o a ser gentil com os gentis e duro com os duros, ensine-o a nunca entrar no comboio simplesmente porque os outros também entraram.

Ensine-o a ouvir a todos, mas, na hora da verdade, a decidir sozinho, ensine-o a rir quando estiver triste e explique-lhe que por vezes os homens também choram.

Ensine-o a ignorar as multidões que reclamam sangue e a lutar só contra todos, se ele achar que tem razão.
Trate-o bem, mas não o mime, pois só o teste do fogo faz o verdadeiro aço, deixe-o ter a coragem de ser impaciente e a paciência de ser corajoso.

Transmita-lhe uma fé sublime no Criador e fé também em si, pois só assim poderá ter fé nos homens.
Eu sei que estou pedindo muito, mas veja que pode fazer, caro professor.
(Abraham Lincoln – 1830)